Foto: Máquina 3

Um senhor de cabelos grisalhos e esvoaçantes vem nos contar uma história. Diz que vem de longe muito longe e que em sua caminhada passou por uma série de obstáculos. Mas, enfim, ele chegou. Numa noite de chuva e lua crescente, Erasmo Carlos, anunciou ao Cais da Alfândega: “Não vou ficar calado como tantos por aí”. É preciso dar um jeito, meu amigo.

As palavras e atitude do Tremendão reverberam. Foram um epílogo simbólico para o encerramento do Rec-Beat 2018. A inquietude de Erasmo é a mesma que vive no espírito selvático das mulheres do Rimas & Melodias, no vanguardismo pioneiro do Black Devil Disco Club, nas ambições do Frevália e na libertação de energia de Otto. Artistas distintos, ritmos musicais completamente diferentes. Mas tudo feito sob o mesmo propósito: desafiar os limites e as convenções.

Foi com este sonho — de experimentar, arriscar, ousar o diferente — que o Rec-Beat surgiu, há 23 anos. E é este mesmo sonho permanece. A noite de encerramento veio para coroar esta histórica 23ª edição. Artistas e o povo na rua, unidos em um só Carnaval, imaginando meios de ir além. Sempre além.