Blog

Rimon Guimarães traz sua arte-ocupação para o Rec-Beat SP

Foto: Raphael Fernandes

Conhecido por seus murais, artista curitibano une referências urbanas com ancestralidade negra e indígena

Quem passar pelo Minhocão, no Centro de São Paulo, certamente vai se deparar com um dos trabalhos de Rimon Guimarães (IG @rimonguimaraes), hoje um dos nomes mais importantes da arte urbana. A obra, batizada de “Pindorama”, traduz muito da proposta estética e visual do multiartista visual curitibano, que é conhecido por seus murais em larga escala, mas também por suas videoinstalações, pinturas e performances. A obra tem ainda uma função interessante: é um mural ecológico que foi feito com uma tinta fotocatalítica, que filtra o ar em contato com ela.

A obra do Minhocão, na capital paulista, é emblemática por traduzir a busca estética de Rimón em conectar referências do imaginário indígena e da ancestralidade africana com o ambiente urbano das grandes cidades.

Rimón também trouxe essas inspirações para a arte oficial do Rec-Beat SP. O já tradicional lançamento da arte do festival traz sempre um convite a artista visual diferente a cada edição – já participaram nomes como Shiko, Wes Gama, Acidum, Raoni Assis, Karina Buhr, entre outros. “Pensei nessa menina negra skatista como uma personagem muito representativa de uma cidade como Recife e São Paulo”, diz Rimón. “Em seguida inseri diferentes referências dessas duas localidades na arte”.

Artista autodidata, Rimon atua em diferentes mídias, e além de murais em larga escala, pinturas, desenhos, gravuras, fotografias, videoinstalações, performances, composições e música (ouça e assista a faixa “Sim”, aqui no youtube, e aproveite e se inscreva no nosso canal). Ele ainda tem uma marca de roupas junto com a família, a @Rim.on, com estampas próprias.

Sua obra busca, através das trocas culturais, transmutar o espaço-tempo em um trabalho bastante imaginativo e de cores vivas. Seus trabalhos estão espalhados em 27 países, entre eles EUA, Argentina, Gâmbia, Malásia, Itália, Holanda e diversas cidades aqui no Brasil.

Na ilustração para o Rec-Beat, Rimón se inspirou na herança latina, raízes dos povos indígenas e ancestralidade negra, que se entrelaçam com a cultura urbana paulistana e recifense.

“Decidi trazer como personagem principal uma menina preta skatista, pois isso reflete muito a proposta urbana de ocupar os espaços”, explica Rimon. “Eu quis mostrar esse lado urbano de São Paulo, dos grandes murais e fachadas e fazer uma conexão com o Recife”.