BLOG

Mombojó (Foto: José de Holanda/Divulgação)

A noite desta segunda-feira (16) será majoritariamente brasileira. Das seis bandas que sobem ao palco do Rec-Beat, cinco são nacionais. Artistas de Pernambuco, Sergipe, São Paulo e do Rio Janeiro vão dividir o palco com o bluseiro norte-amerciano Marquise Knox. O festival acontece com patrocínio da Prefeitura do Recife e apoio do Governo do Estado de Pernambuco.

Mas, antes da diversidade rítmica tomar conta do Cais da Alfândega , quem tem vez no festival são os foliões mirins. O Recbitinho chega em sua 15 º edição com as tardes desta segunda e terça (17) reservadas aos pequenos. Às 17h o espetáculo Tuttotorna toma conta do saguão do Paço Alfândega. Do grupo italiano Giullari Del Diavolo, reúne números de dança e equilíbrios com bolas de cristal. O espetáculo é encenado pelo italiano Stefano Catarinelli e pela brasileira Rose Zambezzi, que prometem envolver magicamente todos os presentes – grandes e pequenos.

Assim como no sábado, quem anima os primeiros foliões que chegam ao Cais da Alfândega é o Dj Vinicius Leso, a partir das 19h30. Com muito soul, black music e outras pérolas Leso promete colocar o público para dançar.

Os sergipanos da Coutto Orchestra desembarcam no palco do festival pela primeira vez com suas fusões de sonoridades eletrônicas com instrumentos tradicionais – como a sinfona. Ritmos regionais como o maracatu de brejão, a taieira, a marujada e o forró se unem ao tango, cumbia, balkan, valsas, marchas, house e ao jazz manouche, colocando todo mundo para dançar das 20h às 21h, quando começa a próxima atração. Quem acompanha a Coutto, e até o final da noite, é a VJ Milena Sá.

E depois da mescla sonora da Coutto, é a vez do paulistano Thiago Pethit. Ele vem com o aguardado show de seu disco recém-lançado, “Rock’n ‘roll sugar darling”. Conhecido por shows de linha um tanto intimista, Pethit vem mostrando seu lado mais roqueiro, com ênfase na guitarra e com uma pegada que remete ao grunge dos anos 1990 e ao pop londrino dos anos 1980.

Na sequencia, o palco do Rec-Beat recebe mais um lançamento de disco. Dessa vez, às 22h, é o pernambucano Jam da Silva que mostra pela primeira vez ao vivo as faixas de seu disco “Nord”. As músicas, sempre marcadas pela percussão características do músico, representam uma síntese de todas as experiências por ele vividas no Recife, Rio de Janeiro, Paris, Islândia e em inúmeros outros lugares por onde passou. O show vai ser duplamente especial pois conta com a participação da cantora francesa Lisa Papineau em algumas músicas.

Às 23h10 quem se apresenta é o único gringo da noite. O bluseiro prodígio Marquise Knox. Com apenas 23 anos, Marquise já é considerado o sucessor de BB King (para quem abriu um show quando tinha apenas 17 anos). Com estilo próprio, Knox, que descende de família blueseira tradicional, incorpora ao seu som influências de Johnny Lee Hooker e Muddy Waters. É a primeira vez que o jovem instrumentista se apresenta na capital pernambucana. Ele é acompanhado no palco pela banda recifense Uptown Band.

Os garotos pernambucanos da Mombojó são a penúltima atração da terceira noite do festival. Querido e aclamado pelo público local, o grupo volta à terra natal com o show de seu disco lançando em 2014, “Alexandre”. O álbum reforça o mérito da banda de atualizar a tradição e dar a ela uma roupagem absolutamente pessoal, construindo um estilo próprio. Eles tocam de 0h30.

Encerrando a noite, o Dj Omulu traz para todo mundo dançar até de madrugada seu famoso “brega-bass” – mistura de tecnobrega com batidas de sons mais graves. O carioca já circulou pelo mundo e compôs trilhas sonoras para desfiles de moda. Além de revisitar o brega paraense, Omulu se aventura também no redescobrimento de outros gêneros nacionais.

Programação (Segunda, dia 16):

17h – Recbitinho – Espetáculo: Tuttotorna, Grupo: Giullari Del Diavolo (Itália)
19h30 – Dj Vinicius Leso (PE)
20h – Coutto Orchestra (SE)
21h – Thiago Pethit (SP)
22h – Jam da Silva (PE)
23h10 – Marquise Knox (EUA)
00h30 – Mombojó (PE)
01h45 – Omulu (RJ)

*Nas projeções Vj Milena Sá.